24 de setembro de 2008

Misinterpretations

Não há espaço para interpretações criativas. Está tudo escrito, sem entrelinhas nem insinuações. Sem duplos significados, as palavras escritas são as verdadeiras, as sentidas. A mensagem é clara e simples, mas fica pelo caminho. Algo na sua recepção, impede que seja interpretada correctamente. Interferências inesperadas, que fazem com que as letras utilizadas, adquiram um novo significado, de forma mais ou menos subtil. Perde-se a ideia, o objectivo e acima de tudo, perde-se a tradução do sentimento, da emoção. Ao pertencerem exclusivamente a quem os vive, as leituras dos sentimentos, chegam a roçar o intransmissível, culpando a cumplicidade, ou a falta dela, entre quem sente e quem acha que entende o que foi sentido. Susceptíveis de interpretações livres e equívocas, nada mais posso fazer que, tentar descrevê-los, aos sentimentos, e esperar que sejam entendidos tal como os vivi, por quem, realmente percebe aquilo que sinto.

4 comentários:

  1. Mesmo que ninguém consiga entendê-los deves descrever o que sentes para ti própria. Muitas vezes só quando transformamos os pensamentos em palavras é que eles fazem sentido..

    ResponderEliminar
  2. Minha querida, quando escreves só podes tentar "comunicar" da melhor forma o que sentes.

    Não é possivel garantires que quem lê, compreende o que queres dizer.

    As palavras que se dizem ou escrevem acabam por ser nem que seja uma infima parte diferentes para quem diz e para quem ouve, porque? Porque também as pessoas são diferentes.

    ResponderEliminar
  3. Mas ás vezes confiamos ás palavras uma abrangência e uma exactidão que elas nunca chegarão a ter...

    ResponderEliminar